Testes não detectam presença de agrotóxicos na água em Não-Me-Toque, mas sim em Victor Graeff

Testes não detectam presença de agrotóxicos na água em Não-Me-Toque, mas sim em Victor Graeff

Casal de Passo Fundo lesa idosa em R$ 30 mil no conto do bilhete em Porto Alegre
Ala do semiaberto no Presídio Estadual de Carazinho, deverá ser reconstruída
BM prende foragido do presídio de Passo Fundo

Em publicação feita nesta semana, a Agência de Jornalismo Investigativo (Agência Pública) revelou que 27 agrotóxicos foram encontrados na água de um a cada quatro municípios brasileiros durante análises realizadas entre 2014 e 2017.

O estudo feito em Não-Me-Toque, não apresentou a presença de nenhum tipo de agrotóxico presente na água que abastece a cidade. De acordo com os dados, a água ingerida pelos não-me-toquenses ainda não sofreu nenhum tipo de contaminação pelos agrotóxicos.

Porém, em Victor Graeff, a composição de água consumida apresenta 9 tipos de agrotóxicos. Dentre estes 3 são classificados pela Anvisa como extremamente, ou altamente tóxicos, e associados ao desenvolvimento de doenças crônicas como câncer, defeitos congênitos e distúrbio endócrinos.

O QUE DIZ A CORSAN: 

A Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) informa que a água distribuída à população nos 317 municípios gaúchos atende rigorosamente a legislação brasileira que determina os parâmetros de potabilidade da água para os sistemas de abastecimento. E ainda que também são monitorados outros 46 tipos em atendimento à legislação estadual (Portaria 320/2014) da Secretaria da Saúde.

A Corsan ressalta que os dados utilizados na pesquisa apresentada foram retirados do Sisagua (Sistema de Abastecimento de Informação de Vigilância de Qualidade da Água para Consumo Humano) e referem-se a amostras de água bruta (ainda não tratada). A empresa informa que, sempre quando é detectado algum agrotóxico na água bruta, é realizada a análise da água tratada correspondente, não havendo histórico de presença desse agente após o tratamento.

A Corsan e a Associação das Empresas Estaduais de Saneamento (Aesbe) estão pedindo esclarecimentos ao Ministério da Saúde sobre os valores disponibilizados com relação à presença de agrotóxicos na água usada para consumo humano, a fim de não ocorrer interpretação equivocada como ocorreu no material divulgado por veículos de imprensa.

 

*Jornalismo Rádio 90.9 FM

 

COMENTÁRIOS

Enviar
1
Olá!
Olá!
Gostaria de pedir uma música!
Powered by